21 de set de 2016

Velho Chico - Quem matou Clemente?



Gostaria de dividir com vocês uma hipótese referente ao assassinato do Clemente (Júlio Machado), embora me pareça que os autores não irão tocar neste tema na reta final da novela.

Com base nas últimas revelações sobre a personalidade do ex-deputado/novo saruê, Carlos Eduardo (Marcelo Serrado), arrisco a dizer que tudo parece indicar que foi ele quem matou o Clemente, pois o "Darth Vader do Sertão" era muito mais que apenas um jagunço subserviente ao Afrânio (Antônio Fagundes).

Foi o Clemente quem ensinou ao Afrânio o que ele precisava saber/fazer para se tornar um coronel. Foi conselheiro, tutor, explicou, orientou e influenciou muito na tomada de decisão do Afrânio, quando este colocou em dúvida qual rumo tomar ao retornar à Grotas: Se seguiria buscando sustentar um status de Dotô ou se pararia de lutar contra o futuro que a vida estava lhe impondo e assumiria de vez o papel de saruê, ou pelo menos, como "dublê" de um.

De acordo com o "novo Carlos Eduardo", certamente um Clemente seria grande empecilho para suas pretensões, ou seja, manipular, comprometer e enfraquecer o Afrânio, e tornar-se um saruê ainda pior. Sem falar na forma com que o Clemente foi morto – munida de covardia – o que se assemelha bastante com a emboscada sofrida por Santo.

Tal teoria se encaixaria bem na trama e daria, digamos, uma "autorização" para que o Cícero (Marcos Palmeira) pudesse exercitar/pagar, pela última vez, sua lealdade/dívida com os de Sá Ribeiro, livrando a família do pior inimigo, e podendo seguir sua vida fora dali.
Por Renato Zanata Arnos,
historiador, escritor e músico

27 de out de 2014

Aos Bandeirantes de "selo nórdico". Eleições 2014



O texto a seguir, recheado de ASPAS (recado específico aos que "conservam cegueiras de todos os tipos"), TRATA-SE DE UMA OBRA DE CONTEÚDO POÉTICO-FICCIONAL.
Como a população do Estado de SAN PABLO é maciçamente formada por descendentes de "Bandeirantes com o selo nórdico de qualidade", oriundos do clã dos "ARIANOs SUassuÍNOs" - que com muito orgulho e muito amor se autodenominam "brancos e letrados escolhidos a dedo" - o candidato "mais bem nascido, bem preparado, mais honesto, limpinho, mais bem etiquetado", recebeu mais votos que sua opositora. Um rotundo e SECO não na candidata que representava o governo federal.
Um Estado que historicamente faz "ótimas escolhas políticas" como, por exemplo:

ADEMAR DE BARROS

JÂNIO QUADROS

PAULO MALUF

TIRIRICA

PASTOR MARCO FELICIANO

Deveriam promover Workshops por todo o país, pois afinal, são "Ilustrados eleitores", "cidadãos exemplares", que além de um constatado e "iluminado know-how político"sabem lidar civilizadamente com a derrota nas urnas.

No próximo post falarei do Clã dos “Arianos Parafinados do Leblon”. Claro, se estes ainda não tiverem abandonado o país na caravana Décadence avec élégance capitaneada pelo menestrel Lobão, que aliás, "perdeu a pose".
 

2 de jun de 2014

Paraty, um desafio ao pileque


 
Definitivamente as ruas de Paraty não servem aos bebuns. Ir e vir por aqueles pés-de-moleque de aproximadamente 300 anos, é uma enxaqueca, mesmo que a diversão não dê motivos ao porre. As ensaboadas pedras que pavimentam a histórica cidade do litoral sul do Estado do Rio de Janeiro e suas Flips, Margaridas, Cafés, escunas e onças pretas da Serra do Bocaina, são arapucas de plantão para os que se atrevem a exercer a boemia intramuros e telhas, feitas nas coxas ou não.
Se colecionas rolhas de Mendoza, vais beijar a lona, não tem saída, serás tombado também! Vai bitocar a “irregular stone” como se fora o segundo argentino mais pop, por essas bandas de tantos outros Chicos. É mico certo! Cabernet, Malbec, Pinot Noir, tinto, branco ou verde, não importa. Tais pés-de-moleque se eximem de compaixão para com os estabacos dos discípulos de Baco. Lona!

30 de set de 2009

A quem interessa o mata-mata?


                                                                                      Por Leonardo Bertozzi


Foi um desastre. Na temporada 2007/08, a segunda vaga na LC ficou para o Twente, que havia terminado em quarto lugar. Se o futebol holandês já vem encontrando dificuldades naturalmente, imagine sem mandar o melhor representante possível para as competições internacionais.

Para a temporada passada, os play-offs por vaga na LC foram abolidos. Ficou apenas um play-off, que vale a última vaga para a Liga Europa. O ideal era que não houvesse nenhum.
Enquanto isso, no Brasil, surge a notícia de que a Globo Esportes voltou a pressionar pelo retorno dos mata-matas. Os mesmos que permitiam ao oitavo melhor time da fase de classificação chegar ao título. Que permitiam vice-campeões invictos e campeões com saldo negativo.

Os mata-matas no Brasileirão representavam uma ode à mediocridade, ao planejamento nas coxas. Um tributo à necessidade de acertar alguns jogos aqui e ali e, se tudo der certo em um mês, levar a taça para casa. No campeonato por pontos corridos, não há tais subterfúgios.
O campeonato de pontos corridos, portanto, tirou as máscaras da mediocridade. Quem é bom o suficiente para ser oitavo termina em oitavo. Não dá mais para enganar a torcida. A mesma torcida que sabe que seu time jogará 38 vezes. Jogará em maio e jogará em dezembro. Não entrará de férias em outubro, continuando a ter de pagar salários pelo resto do ano.

A volta do mata-mata, logo, só interessa aos medíocres. A quem é incapaz de montar um elenco sólido o suficiente para superar a maratona da temporada.
Se a volta do mata-mata interessa à televisão, é um caso de erro na escolha do culpado.
A televisão paga esperando por um bom produto. E certamente um bom produto dependeria de melhores arbitragens, melhores gramados, melhores jogadores. Como pedir por tudo isso se os clubes não tiverem condições e incentivo para um planejamento estratégico decente?

Se a televisão acredita mesmo que o melhor é voltar o mata-mata, só precisa combinar direitinho com quem interessa para que as finais também sejam as queridinhas da audiência. Ou eles podem garantir também que não haverá outros São Caetanos na decisão?

Leonardo Bertozzi é jornalista, tem 29 anos, mineiro de Belo Horizonte. É editor do site Trivela.com e comentarista dos canais ESPN.

Fonte: http://www.trivela.com/blog/a-quem-interessa-o-mata-mata

Site: http://www.trivela.com
Recentemente, a Holanda fez um teste com mata-matas no fim da temporada. Não para definir o campeão, mas o segundo classificado para a Liga dos Campeões e os classificados para a antiga Copa Uefa.

8 de set de 2009

Desabafo de um autentico torcedor Argentino!



















Quem quer torcer pela Argentina, tem que entender o que significa ser torcedor da Argentina.

Por Eduardo Berodia

Depois daquele 0x0 no Mineirão( pela 1º fase das Eliminatórias 2010), o coro foi de "Adeus Dunga"... se falava do Muricy... etc etc.
Corneteiros e precipitados, são maioria em todas as torcidas e são absolutamente previsiveis.

Quem quer dizer que torce pela Argentina tem que entender o que significa ser torcedor da Argentina.
Não é suficiente ser um brasileirinho recalcado que fica com raiva da sua seleção e resolve torcer pela Argentina para descontar.
Quem torce pela argentina tem que assumir que o time e o treinador necessitam ser cobrados sim, mais que não adianta ficar nesse choro de putas se lamentando e pedino para tirar esse ou aquele jogador.
Sempre o melhor jogador vai ser aquele que não jogou, que não ficou exposto. Porra!!
Quem quiser ficar chorando vai chorar à p.. que p..
Eu hoje, 06 de setembro de 2009, saí com a camisa da Argentina na rua.
Fui para a churrascaria e vou ficar o dia todo com ela aqui em Salvador, onde a seleção Brasileira acabou de chegar.
Quem gostar gostou, quem não gostou vai se foder.

Quem torce pela Argentina assume, apoia, grita, alenta.
É torcedor Argentino mesmo!!
O resto é um bando de viado chorão.
Vamos partir para acima do Paraguay, vamos dar o sangue, vamos alentar nossos jogadores porra!!
É a hora de separar os homens dos meninos.
Para classificar dependemos só de nos mesmos, vamos ficar tremendo e fazendo xixi de medo??? Porrraaaaa!!!!!

Os jogadores que contamos são esses mesmos, não adianta ficar chorando pelos que não estão lá.
Riquelme não quer? foda-se.
Vamos para cima dos paraguayos. Agora vamos ter medo do Paraguay???
Sabe como nos classificamos para a Copa de 86?
No ultimo minuto da prorrogação de um jogo encardido contra o Peru no Monumental de Nuñez com um gol chorado do Passarela.
Depois levantamos a Taça na Copa.
Isso não quer dizer que sejamos cegos e não enxerguemos o obvio.
O time não foi bem frente ao Brasil, falhou na defesa e não conseguiu penetrar na forte marcação brasileira.
Foi um problema principalmente de desempenho e não de nomes.
Os nomes são esses que já mostraram serviço na seleção.Neste jogo não foram bem? Paciência!
Futebol é isso, vamos para o pau no proximo, consertar o que esta errado e meter perna.
E a torcida apoiando. Torcida que vaia a seleção, vocês sabem qual é.
Na torcida Argentina não tem viadagem!

A nossa postura como torcedor argentino é juntar as bandeiras, arrumar a camisa, temperar a garganta e nos prepararmos para a proxima guerra.
Um video depois da eliminação da Copa de 2006( publicidade da Quilmes), resume tudo isso.
Quem não entendeu a mensagem, não posso fazer nada. Esta fora do conceito de torcedor Argentino ( veja clip da Quilmes no final deste post ).
Qual o canto principal das torcidas de todos os times argentinos e da seleção?:

(nome do time) mi buen amigo
esdta campaña volveremos a estar contigo
te alentaremos de corazon
esta es tu hinchada que te quiere ver campeon
no me importa lo que digan
no me importa que dirán
yo te sigo a todas partes
cada vez te quiero mas

Se não entenderam, traduzam, aprendam, decorem, cantem até no chuveiro.
Eu já estou de saco cheio dessa viadagem de pseudo torcedores de teclado.
Eu sou torcedor de arquibancada, de sentir balançar a Bombonera, de sentir balançar o “Monumental”, de honrar a camisa Argentina.
O resto é viadagem.

Quantos destes imbecis corneteiros que dizem que torcem pela argentina sabem explicar o que significa "hacer el aguante".
90% deles nunca ouviu falar.
Hacer el aguante significa saber que o time tem pontos fracos, que necessita de ajustes, mas quando entra em campo temos que hacer el aguante, alentar, empurrar, sair na porrada, ir para o pau, dar o sangue, honrar a camisa.

(Eduardo Berodia, um torcedor Argentino que mora ha 20 anos no Brasil e tem muita historia para contar)